0

5 de maio, 2023

Equipe Multidisciplinar no Autismo: entenda o papel de cada profissional

Equipe Multidisciplinar no Autismo

Conhecer os principais papéis de cada profissional da equipe multidisciplinar do autismo é fundamental para o entendimento do tratamento como um todo. Seja para lidar diretamente com a evolução dos pacientes ou para melhorar os processos de comunicação sobre o tratamento entre os profissionais.

Devido à complexidade do autismo, é importante que seja instituída uma abordagem multidisciplinar com colaboração interprofissional. A colaboração que facilita a interação e experiências clínicas compartilhadas, como reuniões e planejamento compartilhado entre profissionais de saúde proporciona uma prestação de serviços bem-sucedida e resultados positivos para os pacientes.

 

Nesse artigo você verá:

Acompanhe o texto completo para saber tudo sobre a equipe multidisciplinar no autismo!

 

O que é Autismo?

O Autismo ou Transtorno do Espectro do Autismo (TEA) são termos gerais para um grupo de distúrbios complexos de desenvolvimento do cérebro. Esses distúrbios são caracterizados, em graus variados, por diferenças na forma como uma pessoa interage com outras pessoas ou se comunica, usando linguagem ou gestos (como contato visual ou apontar). Pessoas com autismo também podem se comportar de maneira incomum, como ficar chateado quando as coisas mudam, olhando para os brinquedos ou agitando os braços. 

No sistema oficial de classificação de diagnóstico psiquiátrico nos Estados Unidos, o Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais, Quinta Edição (DSM-5), usa o termo Transtorno do Espectro do Autismo como definição médica do espectro.

Sobre o Diagnóstico do Autismo

O diagnóstico acontece por dados clínicos, ou seja, observação. Não existe um exame específico. Com base na análise da criança e dos marcadores de desenvolvimento, se chega ao diagnóstico.

Muitos passos foram dados na compreensão do autismo nos últimos anos, como a criação de ferramentas eficazes para triagem de crianças para risco de autismo a partir de um ano de idade, visto que os estudos demonstram que os sinais de autismo podem surgir entre os seis e os 12 meses de idade. Apesar desses avanços, no entanto, a idade média de diagnóstico é tipicamente depois dos quatro anos.

As características diagnósticas do autismo são prejuízos na comunicação social e presença de comportamento restrito e repetitivo. Um diagnóstico tardio pode atrasar o início dos serviços e apoios que podem ajudar a ensinar uma criança melhores formas de se comunicar, interagir, brincar e aprender.

Conheça nosso curso livre Autismo, Síndrome de Down e TDAH: Manejo Nutricional na Prática

 

Quais são os Sinais de Alerta do Autismo?

sinais-alerta-autismo
imagem: canva

Cada criança se desenvolve de maneira diferente, principalmente nos primeiros cinco anos de sua vida. No entanto, existem alguns sinais de alerta que uma criança com possíveis sinais de autismo pode apresentar:

  • Sem grandes sorrisos ou outras expressões calorosas e alegres por seis meses ou depois;
  • Sem compartilhamento de sons, sorrisos ou  outras expressões faciais por nove meses;
  • Sem balbuciar aos 12 meses;
  • Sem gestos de vaivém, como apontar, mostrando, alcançando ou acenando por 12 meses;
  • Sem palavras aos 16 meses;
  • Sem frases significativas de duas palavras (não incluindo imitar ou repetir) por 24 meses;
  • Qualquer perda de fala, balbucio ou habilidades sociais em qualquer idade;
  • Nenhuma resposta ao nome por 12 meses.

Por esse motivo, é essencial que a criança tenha um acompanhamento médico frequente, para auxiliar na identificação de sinais que muitas vezes passam despercebidos pelos familiares. De acordo com a Academia Americana de Pediatria é recomendado que todas as crianças recebam triagem de autismo em 18 e 24 meses de idade.

 

O que é uma equipe multidisciplinar?

equipe-multidisciplinar-autismo
imagem: canva

Uma equipe multidisciplinar é um grupo de profissionais de saúde e assistência que são membros de diferentes organizações e profissões (por exemplo, nutricionistas, psicólogos e médicos de clínica geral), que trabalham juntos para tomar decisões sobre o tratamento de pacientes individuais e usuários de um serviço de saúde. 

A colaboração interprofissional usando uma abordagem multidisciplinar pode ser um determinante importante para aumentar os cuidados de saúde positivos e os resultados educacionais de crianças com TEA.

 

Que profissionais podem fazer parte da Equipe Multidisciplinar no autismo?

Devido à complexidade do autismo, é importante que seja instituída uma abordagem multidisciplinar com colaboração interprofissional. 

Em uma equipe multidisciplinar, cada pessoa que realiza a avaliação terá diferentes focos. Por exemplo, uma avaliação de um Nutricionista terá um olhar voltado para o comportamento alimentar e para absorção de nutrientes, enquanto a avaliação de um Fonoaudiólogo observará a mastigação e o desenvolvimento da comunicação. 

Por esse motivo, conhecer o papel de cada profissional dentro da equipe é essencial. Vamos lá!

Também é indicado que a família preze por criar um bom ambiente para as refeições da criança, seguindo conceitos como o mindful eating, descartando o uso de eletrônicos e outras distrações à mesa e proporcionando uma concentração e ligação maior com a comida.

Outras dicas para lidar com essa questão incluem estabelecer uma rotina mais fixa para a alimentação do paciente, evitar alimentos não saudáveis, propor pratos com grande variedade de grupos alimentares e envolver a criança na preparação da alimentação.

 

O Médico

É o profissional responsável por realizar o diagnóstico do TEA, que geralmente é feito por um psiquiatra, pediatra ou neurologista. Além disso, é este profissional que fará as prescrições de medicamentos adequados, quando for necessário.

O Nutricionista

Pode ajudar o paciente autista a lidar com questões relacionadas à dieta e nutrição, pois eles podem apresentar dificuldades alimentares, como seletividade alimentar, alergias, disfunções do trato digestivo, entre outras e o nutricionista pode ajudar a desenvolver um plano alimentar personalizado que atenda às necessidades do paciente. Além disso, ele pode desenvolver atividades de educação nutricional que atendam não só o paciente, mas as famílias envolvidas no tratamento.

O Psicólogo

Pode ajudar o paciente a lidar com questões emocionais, comportamentais e sociais relacionadas ao autismo, como ansiedade, dificuldades de comunicação e interação social, e problemas de comportamento. Ele pode fornecer terapia cognitivo-comportamental, treinamento de habilidades sociais e outras mudanças personalizadas para ajudar o paciente a enfrentar essas questões.

O Fonoaudiólogo

Pode ajudar o paciente a desenvolver habilidades de comunicação, incluindo fala, linguagem e compreensão.  Ele pode fornecer terapia de linguagem e fala, treinamento auditivo e outras intervenções personalizadas para ajudar o paciente a se comunicar melhor e compreender melhor como socialmente.

O Pedagogo

Pode ajudar o paciente autista a lidar com questões educacionais, como tendências curriculares, planejamento de atividades e estratégias de ensino. Ele pode trabalhar com a escola do paciente para desenvolver um plano educacional personalizado que atenda às necessidades do paciente.

O Terapeuta Ocupacional

Pode ajudar o paciente a desenvolver habilidades motoras finas e grossas, coordenação e habilidades de autoajuda. Ele pode trabalhar com o paciente em atividades de jogo e outras atividades terapêuticas para desenvolver essas habilidades, bem como adaptado o ambiente para atender às necessidades do paciente.

O Fisioterapeuta

O fisioterapeuta pode ajudar a fornecer funções motoras adicionais às crianças e pode ajudar com crianças que têm problemas de equilíbrio ou cidade muscular baixa. Este profissional também pode ajudar na coordenação dos pacientes.

Muitos outros profissionais podem acabar fazendo parte desta equipe de intervenção em algum momento, a depender das necessidades de cada caso. O importante é que esta equipe seja parceira, mantenha contato frequente e atue de forma coesa em direção a uma meta comum: o desenvolvimento e a melhora na qualidade de vida da criança com TEA e sua família.

Quais são os benefícios da equipe multidisciplinar no autismo?

beneficios-equipe-multidisciplinar-autismo
imagem: canva

Os benefícios da avaliação multidisciplinar no autismo são inúmeros, tanto para os pacientes, quanto para os familiares. Ainda, os benefícios são da própria equipe, visto que os profissionais conseguem ter melhores resultados nas suas condutas individuais.

Além disso, o envolvimento dos pais é um componente importante da equipe multidisciplinar. Os pais podem fornecer informações sobre as habilidades e o comportamento de uma criança fora do ambiente de avaliação, onde nem todas as instâncias do comportamento de uma criança são observáveis. O ambiente de avaliação muitas vezes pode provocar diferentes reações e comportamentos que uma criança normalmente não existiria em um ambiente familiar.

Portanto, a colaboração interprofissional usando uma abordagem multidisciplinar pode ser um determinante importante para aumentar os cuidados de saúde positivos e os resultados educacionais de crianças com TEA e também de pacientes adultos.

Se você faz ou deseja fazer parte do time de profissionais responsáveis pelo tratamento e acompanhamento de pacientes com TEA em todos os ciclos da vida,  o curso de Pós-graduação em Autismo da iPGS contempla o conteúdo necessário para você atuar na área.

Quer dar o próximo passo em sua carreira? Aproveite e baixe agora mesmo o nosso e-book gratuito sobre o Autismo e obtenha ainda mais informações para a sua prática profissional.

 

 

Cadastre-se e fique por dentro das novidades

... Carrinho