O poder da nutrição funcional: 11 dicas práticas para os seus pacientes!

O corpo humano pode necessitar apenas de micronutrientes em pequenas doses, mas essas vitaminas e minerais são cruciais para as funções fisiológicas básicas, como o metabolismo, o crescimento e o desenvolvimento.

Para o nutricionista ter mais autoridade e saber como tratar deficiências em um ou mais micronutrientes que possam levar a impactos prejudiciais à saúde e a doenças crônicas, a nutrição funcional se faz cada vez mais presente para um tratamento eficaz.

Quando a nutrição funcional de alta qualidade é aplicada de forma consistente, pode prevenir futuras doenças crônicas em adolescentes, melhorar a cognição em pessoas com demência, além de melhorar o estado geral de saúde dos pacientes.

Diante disso, preparamos 11 dicas para iniciar as orientações nutricionais aos seus pacientes e para estimular o seu interesse no mundo da nutrição funcional. Confira cada uma delas a partir de agora!

2 dicas para pacientes com a imunidade baixa

A imunidade pode ser afetada por vários fatores, como idade avançada, toxinas ambientais, excesso de peso, dieta pobre em nutrientes, doenças crônicas, estresse mental e falta de descanso.

Comer nutrientes suficientes como parte de uma dieta variada é necessário para a saúde e para o funcionamento de todas as células, incluindo as células imunológicas. Certos padrões dietéticos podem preparar melhor o corpo para ataques microbianos e inflamação excessiva, mas é improvável que alimentos individuais ofereçam proteção especial.

Há uma infinidade de alimentos e combinações que complementam a dieta para melhorar a imunidade. Abaixo seguem algumas dicas para os seus pacientes:

1. Inclua alimentos probióticos e prebióticos na rotina alimentar. Veja os exemplos abaixo:

Pró: Kefir, iogurte com culturas ativas vivas, vegetais fermentados, chucrute, tempeh, chá de kombuchá, kimchi e missô.

Pré: alho, cebola, alho-poró, aspargos, alcachofras, folhas de dente-de-leão e banana. Uma regra mais geral é incluir uma variedade de frutas, vegetais, feijão e grãos inteiros.

2. Em caso de deficiência nutricional, alguns pacientes podem necessitar de suplementação específica de algum nutriente, como zinco, selênio, ferro, cobre, ácido fólico e vitaminas A , B6 , C , D e E.

Todos os nutrientes, de forma equilibrada e ajustada para cada paciente, ajudam o sistema imunológico de várias maneiras: atuando como um antioxidante para proteger as células saudáveis, apoiando o crescimento e a atividade das células imunológicas e produzindo anticorpos.

3 dicas para pacientes idosos

Desde a publicação da Neurology em 2018, sobre a relação entre uma dieta saudável e o aumento do volume cerebral, as orientações nutricionais passaram a focar muito mais numa minimização dos danos ocasionados pelo envelhecimento.

Além disso, a alimentação com uma maior quantidade de frutas e vegetais, além de gorduras poli-insaturadas, também oferece muitos benefícios contra o declínio cognitivo e para uma melhor função física de indivíduos idosos.

Para evitar um envelhecimento acelerado e focar na longevidade saudável, o objetivo da orientação dos pacientes deve ser:

  1. Prescrever, quando possível uma Dieta Mediterrânea (dieta rica em vegetais, frutas, nozes e peixes)
  2. Diminuir o total da ingestão energética
  3. Observar sinais de desnutrição e fazer suplementação nutricional quando necessário

6 dicas para pacientes com doenças crônicas

Sabe-se que a inflamação está associada tanto à manifestação de várias doenças crônicas, quanto à ingestão de alimentos com características pró-inflamatórias. Por este motivo, o objetivo das orientações para os indivíduos que têm diabetes, hipertensão, obesidade e doenças cardiovasculares, é reduzir os marcadores inflamatórios.

Se for o caso do seu paciente, invista nas seguintes modificações/ orientações alimentares:

  1. Quantidade total de carboidratos moderada
  2. Alimentos de baixo índice glicêmico
  3. Quantidade total de proteínas moderada
  4. Focar nos alimentos ricos em ácidos graxos monoinsaturados e poliinsaturados
  5. Investir numa estratégia de suplementação de Ômega 3 (além de alimentos fonte)
  6. Baixo teor de gordura saturada

A redução dos biomarcadores inflamatórios é importante tanto em indivíduos saudáveis, quanto naqueles com risco cardiovascular, mas os pacientes doentes apresentam mais benefícios com as mudanças na dieta.

Conclusão

Quando a nutrição funcional de alta qualidade é aplicada de forma consistente, pode prevenir futuras doenças crônicas em adolescentes, melhorar a cognição em pessoas com demência, além de melhorar o estado geral de saúde dos pacientes.

Você, como nutricionista, também pode usar a Nutrição Funcional para prevenir e até reverter doenças crônicas com eficácia, bem como apoiar a saúde e o bem-estar em geral.

A Nutrição Funcional está integrada nos cursos do iPGS, mas é fornecida de forma mais aprofundada no curso de Pós-graduação à Distância de Nutrição Clínica Funcional. Este curso tem como objetivo capacitar os profissionais para a atuação clínico-nutricional, com ênfase na aplicação de alimentos, macronutrientes, vitaminas, minerais e compostos bioativos dos alimentos.

O iPGS também oferece cursos aprofundados sobre Alimentos Funcionais, para ampliar os seus conhecimentos sobre os alimentos funcionais na prática clínica através de estudos das propriedades fitoquímicas dos alimentos e assim expandir seus conhecimentos sobre os benefícios e consumo destes alimentos à saúde humana.